Skáldskaparmál 26 (Edda em Prosa)

Skáldskaparmál (Linguagem da Poesia) é a terceira parte da Edda em Prosa de Snorri Sturlusson e consiste de um diálogo entre o jötunn (gigante) Ægir e Bragi, o Deus poeta. Bragi ensina os significados dos kenningar (teorias) sobre várias coisas usadas na mitologia e na arte poética dos escaldos para Ægir.

Skáldskaparmál 26

26-A viagem de Þórr para a corte de Geirröðr.
Então Bragi respondeu: “Isso é muito digno de ser narrado, quando Þórr viajou para à corte de Geirröðr. Dessa vez ele não tinha o martelo Mjöllnir e Megingjarðar e Járngreipr, e por causa de Loki. Ele viajou com ele, porque tinha acontecido que Loki, tinha ido voar, certa vez, por diversão, com as penas de falcão de Frigg, ele voou adiante por causa da sua curiosidade, para a corte de Geirröðr e ali viu um grande salão, se sentou e olhou através da janela. Geirröðr olhou na direção dele e ordenou que o pássaro fosse capturado e trazido até ele. O mensageiro subiu o muro do salão sofrendo, de tão alto que era. Isso parecia prazeroso para Loki, quando ele viu a
dificuldade dele em apanhar-lo, e pensou em ficar e não voar, antes que ele tivesse terminado todo o perigoso caminho. Mas quando o homem estava para capturar-lo, então ele estendeu as asas para voar e bateu com força, e ficou então com os pés presos. Loki foi pego ali e levado ao jötunn Geirröðr. Mas quando ele viu os olhos dele então suspeitou que poderia ser um homem, e ordenou que falasse, mas Loki ficou em silêncio. Então Geirröðr encerrou Loki num baú e ele ficou ali faminto por três meses. Mas dessa vez quando Geirröðr tirou ele dali e mandou ele falar, então Loki disse, quem ele era, e em troca da sua vida ele jurou isso a Geirröðr, que ele viria com Þórr até Geirröðargarðr de modo que ele não levasse nem o martelo nem o cinto Megingjarðar.
Þórr veio a passar a noite com a gýgr, que era chamada Gríðr. Ela era a mãe de Víðarr, o silencioso. Ela disse a Þórr a verdade sobre Geirröðr, que ele era um jötunn astuto e difícil de confrontar. Ela deu a ele um cinto de força e luvas de ferro, que ela possuía, e seu cajado, que era chamado Gríðarvöllr.
Então Þórr viajou em direção a esse rio que é chamado Vimur, o maior de todos os rios. Então ele afivelou o seu cinto de força e suportou a correnteza com o Gríðarvöllr, enquanto Loki estava atrás segurando o cinto de força. E quando Þórr chegou no meio da correnteza, então o rio aumentou tanto,que subiu até os ombros dele. Então Þórr disse isso:
65.Não aumente agora,Vimur, porque eu desejo atravessar-te para a corte dos Jötnar; saiba, que se você, aumentar, eu então aumentarei meu ásmegin tão alto como o céu.
Então Þórr viu no alto de uma ravina, que Gjálp, filha de Geirröðr, ali ficava com as pernas em ambos os lados sobre o curso do rio, e ela fazia o rio aumentar. Então Þórr levantou de fora do rio uma enorme pedra e atirou nela e disse assim:”Na sua fonte deve o rio ser parado.”
Ele não errou a direção onde ele havia atirado. E nesse momento ele foi para a costa e segurou um ramo de sorveira-brava* e assim saiu do rio. Por causa disso é dito, que a sorveira-brava é a libertação de Þórr.
Mas quando Þórr chegou até Geirröðr, então a esses companheiros foi primeiro exibido um quarto de hóspede como acomodação, e ali estava uma cadeira para sentar, e Þórr se sentou ali. Então ele ficou ciente disso, que a cadeira se movia debaixo dele subindo para o teto. Ele pressionou o Gríðarvöllr no teto e forçou a cadeira pra baixo. Foi um grande estouro, e em seguida um altíssimo berro. Ali debaixo da cadeira estavam as filhas de
Geirröðr, Gjálp e Greip, e ele tinha quebrado a coluna de ambas. Então Þórr disse:
66.Uma vez eu usei todo o meu poder na corte dos Jötnar quando Gjálp e Greip, filhas de Geirröðr, queriam me levantar até o céu.
Então Geirröðr chamou Þórr no salão para jogar jogos. Ali estava uma enorme fogueira de uma extremidade a outra do salão. Mas quando Þórr entrou no lado oposto de Geirröðr, então Geirröðr pegou com a tenaz uma barra de ferro ardente e atirou em Þórr, mas Þórr pegou do outro lado com as luvas de ferro e levantou no ar, enquanto
Geirröðr pulou atrás de uma coluna de ferro para se salvar. Þórr atirou a barra ardente que atravessou a coluna e atravessou Geirröðr e atravessou o muro e assim foi para dentro da terra.”

Depois dessa saga Eilífr Guðrúnarson tinha escrito o Þórsdrápa.

* Observação: Essa planta é conhecida como rowan (sorbus aucuparia), a sorveirabrava, e cresce em locais frios, no outono suas folhas se tornam avermelhadas.

Essa tradução foi feita por Marcio Alessandro Moreira (Vitki Þórsgoði). Tentei manter-me fiel na tradução e em preservar os nomes originais contidos no poema.® 2010
E-mail:asatruar42@hotmail.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s