Cobertura da 1a Conferência Brasileira de Runas

Anúncios

Sobre a 1°Conferência Brasileira de Runas

18527848_1345153402242919_2035914649058860177_nNo último dia 13 de Maio, tivemos um encontro incrível na cidade de Ribeirão Pires/SP. Sob um lindo dia de Sol e céu azul aconteceu a 1° Conferência Brasileira de Runas.

Foram 9 meses de planejamento e com alegria posso dizer que este primeiro encontro foi um sucesso. Tivemos vários nomes do paganismo brasileiro compartilhando conhecimento. Iniciamos com um belo coffe break e em seguida  Francine Dershner dando uma aula de história sobre as runas e os povos do norte, desfazendo alguns enganos e trazendo luz a diversas questões. Bandrui e Liz Elhaz fizeram uma linda abertura com um cântico anglo saxão ao som do tambor. Em seguida Liz falou sobre a magia das runas dentro do seu trabalho com a cosmetologia, abordando encantamentos e terapias. Robson Madredeus falou sobre as runas como chave da consciência, tema importantíssimo para um melhor desempenho das runas usadas na magia e em terapias de reequilíbrio energético.  Complementando esse tema Allan Marante falou sobre O poder da palavra e do som no uso das rúnar e nos ensinou a forma correta de fazer uso dessa ferramenta.

Bandrui nos trouxe como assunto em sua palestra o Seidr, “forma de magia que sabemos ter existido dentro do contexto religioso das culturas nórdicas” em suas palavras, nos contando várias experiências pessoais, e também esclarecendo que Seidr não é sinônimo de Asatru, Vanatru ou Odinismo (algo que concordo totalmente). Mauricio Ferreiraa abrilhantou nosso evento trazendo não uma palestra, mas uma vivência com as runas, fazendo uma leitura coletiva entre todos os convidados, trazendo mensagens importantes do subconsciente coletivo e claro dos deuses das runas.

Wagner Perico falou sobre sua tradição, a wanen. A wanen tem como culto principal a deusa Freyja, também conhecida como Mardoll, porém nosso palestrante deixou claro que isso não significa que eles não gostem de Odin, apenas que Ele não está em seu culto principal. Sobre as runas ele esclareceu que não acreditam, não fazem a leitura invertida das runas e também não usam a runa branca (eu também não uso inversão e a runa branca).

E para fechar tivemos a ilustre presença de Andreas Axikerzus Sahjaza (Lord A) falando sobre seus estudos de Johanes Bureus e as Nobres Runas e também algumas práticas do Círculo Strigoi uma discreta sociedade fundada por ele para o estudo e a prática da Cosmovisão Vampyrica, herdeira do legado Sahjaza iniciado nos anos 70 nos EUA e em seguida o encerramento com os exercícios de STADHAGALDR para harmonização de todos.

Além de palestras tivemos uma feira pagã com excelentes produtos ligados às runas e as práticas pagãs, bem como acessórios e cosméticos, entre outros. Em nossa praça de alimentação delicioso hot dog e risoto, cerveja artesanal e hidromel, que claro não poderia faltar.

Foi um bom dia, de clima amigável e agradável, em um local abençoado pelos deuses no meio da natureza.  Houve troca de conhecimento e interação entre todos, e boa comida, boa bebida, leitura das runas, e claro muita alegria.

Foi um dia incrível, onde tenho certeza, que os deuses das runas sentiram-se honrados e felizes.

Para entender mais sobre o evento e de como surgiu tudo isso sugiro a matéria da querida Sônia Apolinário (curta a página dela):

 https://soniapolinario.wixsite.com/sonia/single-post/2017/05/12/Confer%C3%AAncia-sobre-runas-leva-m%C3%ADsticos-bruxas-e-magos-%C3%A0-cidade-paulista

Para ver fotos:  https://www.facebook.com/media/set/?set=a.1346280452130214.1073741834.1088799307878331&type=1&l=acf9857add

Para acompanhar as novidades:

Facebook: https://www.facebook.com/conferenciabrasileiraderunas/

Instagram: https://www.instagram.com/conferenciaderunas/

Twiiter: https://twitter.com/cb_runas

Informações, sugestões e criticas entre em contato pelo e-mail: conferenciaderunas@gmail.com

E fique ligado que a segunda edição já tem data para acontecer! Será em 23 e 24 de Junho de 2018.

Te vejo por lá!

Ligia Raido

Jornada Rúnica Coletiva

Há pouco tempo atrás participei da jornada rúnica desenvolvida pelo querido amigo e runemal Robson Madredeus, inspirado por um exercício de tarô pela também amiga Pietra Luna.

Hoje a bruxa e runemal Liz Elhaz Oliveira traz este exercício de modo que todos possam participar. Basta acompanhar as publicações em sua página no Facebook e fazer suas reflexões.

A cada dia será colocada uma pergunta com três opções de runa como resposta. Vocês vão ler a pergunta do dia, escolher uma das runas que estará virada para baixo e mais tarde haverá um texto para reflexão para cada uma delas para que você possa interpretar a escolha de sua intuição!

O Robson e a Liz estarão palestrando na 1° Conferência Brasileira de Runas que acontece em 08/04/2017 em Ribeirão Pires/SP. Adquira seu convite e venha conversar conosco sobre a jornada rúnica.

1 Conferência Brasileira de Runas

Para quem me acompanha nas redes sociais já percebeu que tenho voltado todas as minhas energias à realização da 1° Conferência Brasileira de Runas. Mas do que se trata? O que é esse evento afinal?

A 1° Conferência Brasileira de Runas nasceu do desejo de reunir amantes, estudiosos, e profissionais deste oráculo, para compartilhar conhecimento. Trocar ideias, saberes, e vivências e claro para aquele networking básico. Trata-se de um dia inteiro voltado ao universo das runas.

Eu falo mais detalhadamente sobre aqui: https://soundcloud.com/ligiaraido/1-confer-ncia-brasileira-de

E sem mais delongas…

O evento ocorrerá em 08/04/2017 e o local escolhido para esse encontro é o Hotel Estância Pilar, que fica na cidade de Ribeirão Pires – SP. Com todo conforto e infraestrutura para celebrar esse encontro histórico, dispondo de rede wi-fi e coffe break inclusos.

Para quem vem de carro oferecemos estacionamento incluso no convite.

Para quem vem de transporte público vir com a CPTM até a estação Ribeirão Pires, e do centro temos a linha de ônibus Vila Bonita que para em frente ao local do evento. Também se pode optar pelo táxi ou ainda pelo Uber que está rodando na cidade e saí em valor bem camarada. É só baixar o aplicativo, e se cadastrar, para novas contas utilize nosso código promocional 2wfqd87yue e aproveite os descontos.

Para conferir a programação e adquirir seu convite acesse:

bit.ly/conferenciaderunas

Convites limitados!

Te vejo lá!

O metamorfo nos contos de fadas – Lóki (Palestra Convenção de Paranapiacaba)

LOKI (LOKE, LODER, LOKKJU, LOTHUR, LOPTER, LOPTI) – O metamorfo nos contos de fadas

Loki (“Aquele Que Atrai”, “Aquele Que Fecha” ou “Fogo”) que também é chamado de Loptr (“Aéreo” ou “Celeste”), Hveðrungr (“Rugidor”) e Lóðurr (“Aquele Que Frutifica”, “Povo”, “Aquele Que Germina” ou possivelmente “Fogo”) é o nome do companheiro de Óðinn e Hoenir. É conhecido como filho de Fárbauti e Laufey ou Nál, irmão de Býleist e Helblindi, marido de Sigyn e pai de Nari ou Narfi e Váli ou Áli, pai de Fenrir, Jörmungandr e Hel (com Angrboða), e mãe de Sleipnir.

Quando os três Deuses criaram o primeiro casal humano, Lóðurr foi quem deu a eles o sangue e a forma humana. Ele é identificado com Vé por Snorri, por causa de seu papel na criação. Muitas teorias surgiram ao redor do nome de Lóðurr. A mais aceita é que ele seja apenas outro nome de Loki e isso é confirmado nos poemas Lokrur e Þrymlur. Outra coisa que fala em favor disso é que Óðinn, Hoenir e Loki viajam juntos pelo mundo em várias ocasiões. O que dificulta essa identificação é o fato de Lóðurr aparecer como uma Divindade amável que ajuda na criação do homem, e Loki parece como o ser que quer destruir a criação. Porém, é sabido que Loki é uma Divindade ambígua e pode muito bem ter ajudado no início para poder destruir no fim.

É uma das figuras mais confusas da poesia nórdica, Loki rege o fogo e a água, a criação e a destruição, o bem e o mal, o equilíbrio entre a ordem e o caos, mesmo apesar de sempre parecer se inclinar para atitudes e pensamentos malévolos (?). Loki é uma personalidade indispensável no destino de Asgard.

É um metamorfo e freqüentemente toma a forma de um animal; assim, transformado em cachorro marinho (foca), roubou o precioso colar de Freyja (Brisingamen) e o escondeu atrás de uma rocha; mas Heimdall, transformado em foca, o arrebatou, depois de muito lutar; mudado em égua, atraiu o garanhão do arquiteto Asgard e tornou-se mãe do cavalo Sleipnir; tendo apostado com os anões Brakk e Sindri que eles não executariam, rapidamente, obras perfeitas, transformou-se em mosca e procurou embaraçar-lhes o trabalho; mas, apesar disto, os anões conseguiram acabar o anel de ouro Draupnir, o javali de Frey e o martelo de Thor; mudado em pulga, picou Freyja para roubar-lhe o adereço, etc. Certa vez teve a audácia de cortar a áurea cabeleira de Sif, esposa de Thor; e, tendo este lhe exigido uma nova, ele a obteve dos filhos de Ivaldis (Brakki e Sindri). Como silfo do fogo, os poetas chamam-no Lopter (raio), e lhe dão um irmão Byleiptr (relâmpago) e uma esposa Sigyn (nuvem de chuva). Não raras vezes vemo-lo, em figura de mulher, sob cujo aspecto acompanhou Thor à casa do gigante Thrym para recuperar o Mjolnir roubado. Com o nome de Thokk foi à única das criaturas que não chorou a morte de Balder.

Quando jovens Loki e Odin fizeram um pacto de sangue e se tornaram irmãos. Assim Loki, por lei, passou a comungar de todos os direitos reservados à Odin em Asgard, habitando junto dele. Também recebeu a mesma sabedoria que o Pai Excelso possuía. O sangue é o veículo da vida e do poder e através dele Loki despertou como Odin havia despertado. Existe uma pequena passagem na Edda poética, no poema Lokasenna, onde Loki lembra a Odin que eles eram irmãos juramentados pelo sangue, ou seja, no passado eles haviam feito um juramento de sangue, embora que não se saiba que juramento foi este, pois no restante da Edda poética, assim como na Edda em prosa e em outros poemas, não encontramos menção a esse juramento de sangue. A estrofe diz o seguinte:

9. Não te recordas, Odin,

que outrora nos dois

misturamos nosso sangue?

Jamais experimentarias, disseste, cerveja

que não se oferecesse a ambos.

Conversando com uma amiga quem tem um parente de origem alemã descobri que, ao contrário do que dizem, Loki é honrado como merece. Senhor do fogo, Ele é chamado sempre que o mesmo é aceso. Em local de frio estremo não é difícil de imaginar isso. E Odin, o senhor da sabedoria, é honrado também, sobretudo em épocas que se está na escola.

Assim como Odin, Loki teve muitas amantes, além de sua esposa. Diz-se que já foi amante de todas as deusas, casadas e solteiras, e que sua beleza se compara a de Baldr, seu rival. Loki é descrito como belo, formoso, e de olhos brilhantes, mas com o caráter mutável.

Em essência, ele era o mestre trapaceiro, do gênero dos celebres mestres zen, que provocavam ardis explosivos em que expunham os deuses e os humanos a uma situação de súbita vulnerabilidade, revelando a sua condição inata de seres imperfeitos. Pela técnica de choque, ele provocava o despertar da consciência e a sua metamorfose em um estado superior de sabedoria representado pela generosa dádiva dos seus tesouros talismânicos. Loki é assim o portador do fogo, trazendo o ardor da vida aos campos e a luz primordial à consciência, e que jaz esquecida nos recônditos do nosso espírito, Ele acompanha-nos oculto na nossa alma ao longo da caminhada noturna do nosso ser interior, expondo-nos e confrontando-nos com as fraquezas triviais do nosso existir e com promessas quiméricas de tesouros, que nada mais são do que poderes secretos do nosso espírito divino. Por isso, um encontro com Loki encerra sempre uma duplicidade e encruzilhada de significados, em estreita relação com o nosso equilíbrio interior e a força de vontade que caracteriza todos os heróis, já que essa divindade esguia, sutil e volúvel, retificava os males criados pela impiedade dos deuses restantes.

Dentro dos contos de fadas podemos vê-lo claramente em O gato de Botas…

O gato de botas Irmãos Grimm

O protagonista da obra é um gato muito ousado e esperto. João, o seu dono, é o filho mais novo de um velho moleiro que antes de morrer distribuiu entre seus três filhos os seus poucos haveres. Para João o velho deixou apenas um gato que aparentemente não iria lhe servir para nada. Porém, ao descobrir que o gato fala João fica surpreso e perplexo.

O gato pede para João comprar-lhe um par de botas. Sem muito a perder João faz o que o gato pediu-lhe. O gato queria impressionar e mostrar para João que servia para alguma coisa e calçado nas botas corre de encontro ao castelo do rei onde o presenteia com um belo coelho. Como o rei gostava de coelho ensopado o retribuiu com um saco de moedas de ouro. O gato de botas realizou a proeza por várias vezes consecutivas e sempre em troca ganhava um saco de moedas que o levava entusiasmado para o seu dono.

Certa vez o gato disse a João que pulasse no rio e quando a carruagem do rei passasse começasse a gritar. Sem entender muita coisa João realiza o pedido. E quando o rei passa na carruagem com sua filha, o gato e João começam a gritar desesperadamente por socorro. Reconhecendo o amigo o rei para e pede que seus serviçais salvem o dono do gato. Além disso, dá-lhe roupas novas e ele fica parecendo um príncipe.

João apaixona-se pela filha do rei e troca olhares melosos com ela. O gato de botas corre na frente da carruagem e chega ao castelo do feiticeiro ogro, no qual engana o tirano malvado fazendo-o transformar-se em um pequeno camundongo que, por sua vez, é engolido pelo gato.

Os serviçais do castelo, agora pertencente ao gato e a João, recepcionam o rei, sua filha e seus serviçais com um maravilhoso banquete. Na ocasião o rei admira e parabeniza João pela riqueza e beleza de suas propriedades. O rei também concede a mão da filha em casamento a João que agora se tornara rico por esperteza do então gato de botas.

Aqui vemos a figura do estrategista e do metamorfo, claro, que está um pouco fora do padrão de moralidade ao qual fomos impostos pela sociedade, uma sociedade cristã vale lembrar, mas quero chamar a atenção aqui para a versatilidade ao qual o Deus recorre. Versatilidade essa tão necessária no nosso dia a dia, e que por pudor ou medo acabamos sufocando dentro de nós.

O medo da mudança, da metamorfose é algo nítido na sociedade atual. Vivemos em um mundo falso! Tintas para disfarçar o cabelo branco, cremes e mais cremes para retardar o envelhecimento, dietas da moda, e por ai vai. Mas porque queremos fugir de um ciclo que sabemos é inevitável? Nascemos, vivemos a criança, nos tornamos adolescentes, atingimos a vida adulta, envelhecemos, morremos…

Do que você tem medo? A não aceitação de cada fase da vida, a não aceitação as mudanças, a não aceitação da evolução, a não aceitação de cada ciclo.

Por que Loki assusta? Por que não devemos honrá-lo?  Loki vem para nos jogar na cara nossos medos mais profundos. Sincero, sem papas na língua, fala o que pensa. Erra, mas assumi seus erros (faz parte da evolução), e busca consertá-los. Por que não honrá-lo? Por que essa face do Deus nos assusta?

A transformação constante faz parte de nosso dia a dia, do ciclo da vida. Lutar contra esse ciclo, contra a nossa natureza é algo inútil e pode tornar-se muito doloroso. Olhar para dentro é despertar. Despertar é o primeiro passo para a evolução e para o alcance da sabedoria.

“Loki é o Fogo em nosso sangue, e a engenhosidade febril que trabalha incessantemente para desencadeá-lo de tudo que deve ser feito, assim como é o fogo que arde e move a vida a nossa volta, sendo ele mesmo chave de acesso as ramificações do fogo em cada um dos mundos, uma vez que tem livre acesso a todos estes mundos.” Loki é necessário para a manutenção do Universo.

Invocação/Oração à Loki

Por Ligia Raido

 Senhor do Fogo

Senhor da Magia

Senhor da Transformação

Irmão de Odin, meu pai

Loki, meu pai

Honrado seja

Com cerveja e hidromel

Que eu não tema ver tua face

Pois ela reflete minha alma

Hail Loki!

Associações:

Loki é associado à égua, raposa, serpente aquática, pulga, salmão, falcão e mosca.

Na Dinamarca era associado aos fenômenos do ar.

Ao fogo do lar na Suécia e em Telemark, na Noruega.

Era visto como uma criatura da noite em Telemark, na Noruega.

Runas (Futhark Antigo):

Thurisaz, Kenaz, Hagalaz, Nauthiz, Peorth, Dagaz.

 Loki (1) Loki (2) lóki (4)

Lóki

(Palestra realizada na XII Convenção de Bruxas e Magos de Paranapiacaba 30/05/2015)

Fontes:

Links interessantes: